CIRURGIA DE RECONSTRUÇÃO

Existem dois tipos de cirurgia mamária para retirada do câncer: a radical, com retirada de toda a mama, e a conservadora, que procura preservar o máximo de tecido. A decisão sobre que tipo de cirurgia realizar é feita levando-se em conta diversos fatores, principalmente o tamanho da mama e do tumor e disseminação da doença.
Os avanços da medicina têm permitido cada vez mais a preservação de uma boa porção da mama e a realização de incisões mínimas, o que facilita o trabalho de reconstrução. Em grande número de casos o procedimento de reconstrução mamária é realizado na mesma cirurgia de retirada do tumor. Para a mulher esse procedimento conjunto oferece melhores condições psicológicas de recuperação, uma vez que, ao acordar da anestesia, ela pode se constatar "inteira" novamente.
A reconstrução é feita por um cirurgião plástico, geralmente em parceria com um mastologista – profissional especializado no tratamento das doenças da mama. A reconstrução pode ser feita com prótese colocada embaixo do músculo peitoral, com retalho miocutâneo (pele e músculo) retirado das costas ou com pele e gordura do abdômen. A opção pela prótese ou pelo uso de área doadora está relacionada a questões como biotipo da paciente, histórico e futuro tratamento radioterápico.
A decisão sobre a possibilidade da cirurgia de reconstrução no mesmo momento da retirada do tumor depende da situação metabólica da paciente e de sua boa condição circulatória, para que não haja comprometimento na irrigação sangüínea da porção implantada na mama. No caso de uso da pele e gordura do abdômen, a paciente não pode ter passado por cirurgia plástica nessa região anteriormente.
Se na cirurgia a aréola e o mamilo também tiverem que ser retirados, o trabalho de reconstrução exige que se faça uma tatuagem no local para simular o original. Os resultados alcançados vêm sendo bastante satisfatórios e as cirurgias de reconstrução têm permitido que a paciente volte a utilizar roupas com decote e que vista biquínis para ir à praia ou à piscina.
Além do bom resultado psicológico, outro benefício da reconstrução imediata é a não exposição da paciente a mais um procedimento cirúrgico. Entretanto, apesar de mais trabalhosa, a reconstrução tardia é às vezes impositiva, como em casos de pacientes fumantes crônicas e de longa data, que podem ter a circulação sangüínea comprometida.
O procedimento cirúrgico é rápido. Para colocação de prótese, a cirurgia demora no máximo duas horas e no caso de utilização de área doadora varia de duas a cinco horas. Em geral, é necessária uma intervenção posterior ao tratamento adjuvante para retoque, visando à simetrização e adequação de volume.
A recuperação também costuma ser tranqüila. Inicialmente é possível notar alguma diferença no movimento dos braços, quando a área doadora é o dorso, mas exercícios orientados por um fisioterapeuta costumam eliminar rapidamente o problema.
 
Publicado em 20/11/2006

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: