MULHERES JÁ PODEM TRATAR CÂNCER DURANTE A GRAVIDEZ

18 de junho de 2007
ISABELA MENA
   
A quimioterapia pode ser feita sem interromper a gestação, desde o pré-natal.
   Grávidas com câncer já podem tratar a doença sem precisar interromper a gestação. As sessões de quimioterapia feitas ainda no pré-natal não prejudicam o bebê, que nasce saudável.
   O aumento do número de casos levou o Hospital das Clínicas a montar um ambulatório específico para tumores durante a gravidez. Só no ano passado, seis mulheres foram atendidas com sucesso e, neste ano, há sete gestantes até agora.
   De acordo com o obstetra Waldemir Resende, até 2003 a maior parte das doenças ginecológicas diagnosticadas durante a gravidez era benigna, como miomas ou má-formação do útero.
   A partir daquele ano, aumentou o número de grávidas com tumores malignos, e houve uma mudança na conduta médica: o tratamento quimioterápico do câncer da mãe poderia ser feito sem a necessidade da interrupção da gestação, até então indicada para evitar o risco de morte materno. A gravidez e o bebê estavam preservados. “As próprias pacientes se recusavam a abortar e diziam que ou ficavam com a criança ou não tratavam o câncer”, diz o obstetra. “Percebemos que seria possível fazer os dois, já que a mãe pode ser tratada com algumas drogas que permitem a evolução da gravidez, sem prejuízo ao bebê”, completa.
   Segundo o obstetra Pedro Luiz Lacordia, algumas drogas não são usadas em grávidas porque, classificadas como antimetabólicas, podem ocasionar má formação fetal. “Mas a mulher grávida pode e deve ser tratada com quimioterapia, apenas evitamos esses medicamentos”.
   De acordo com Resende, além da dose e do tipo de droga, a quimioterapia em gestantes tem de obedecer a regras próprias quanto ao início e ao fim do tratamento. A primeira sessão só pode ser feita a partir da 15ª semana, período de formação dos órgãos do feto. “Com os órgãos já prontos, há menos chance de o bebê ter algum efeito colateral”, diz Resende.
   Em casos de câncer de mama, o risco de má formação fetal em mulheres que começam a quimioterapia findo o primeiro trimestre de gestação é de 14% em média, contra 30% no início da gravidez.
   Dentro da barriga da mãe, o bebê é protegido tanto pela placenta como por órgãos maternos, como fígado e rins, que ajudam a depurar a droga. Mesmo assim, a última sessão de quimioterapia tem de acontecer entre quatro e seis semanas antes do parto para que o organismo fetal seja desintoxicado de qualquer resíduo quimioterápico.
   O ginecologista e obstetra Wagner Gonçalves conta que um dos primeiros relatos na literatura mundial de tratamento quimioterápico na vigência da gravidez aconteceu há quase dez anos no Brasil. Um médico de Ribeirão Preto provou ser possível utilizar certas drogas pré-natal, afirma.
   “No passado, achava-se que era preciso sacrificar o nenê para ter sucesso no tratamento do câncer, mas isso não é mais verdade. Essa visão de que a quimioterapia é proibida na gravidez caiu por terra”, diz. “Hoje, a maior parte dos cânceres é tratada no pré-natal, e muitos deles com quimioterapia.”
   Entre os tumores ginecológicos, o câncer de colo de útero é o mais comum em mulheres grávidas, de acordo com o ginecologista e obstetra Pedro Luiz Lacordia. O dado tem a ver com a idade: esse tipo de câncer atinge geralmente jovens, ainda em idade fértil.
   Mais freqüente em países em desenvolvimento, o câncer de colo uterino é facilmente evitável por meio do exame anual popularmente conhecido como Papanicolaou. Esse exame detecta o HPV, vírus do papiloma humano, presente em 94% dos casos da doença.
   Já o câncer de mama, mais comum de forma geral, afeta principalmente mulheres acima dos 40. Segundo Lacordia, estatísticas da ACS (American Cancer Society) apontam um caso de câncer de mama para cada 3.000 grávidas.
   A ACS é uma organização norte-americana de luta contra o câncer, cujos estudos refletem as incidências registradas no mundo. Câncer do endométrio (ou da cavidade do útero) e tumor de ovário são outros tipos de câncer ginecológicos. O de ovário, mais raro, é também mais agressivo. “Não é muito sintomático e, quando aparece, já está em estágio avançado”, diz Lacordia. “É considerado a besta negra da ginecologia”.
 
PERGUNTAS E RESPOSTAS
1. Somente câncer ginecológico pode ser tratado com quimioterapia durante a gravidez?
 Não, gestantes que têm ou tiveram outros tipos de tumor também podem receber tratamento quimioterápico.
 
2. Além da quimioterapia, a mulher grávida pode fazer radioterapia?
 A radioterapia tem contra-indicação absoluta. Pode provocar aborto, defeito na formação dos órgãos e atrapalhar o desenvolvimento do cérebro e do coração do bebê.
 
3. É possível engravidar novamente depois de tratado o câncer?
 Após o tratamento, a mulher tem de fazer a chamada menopausa química e ficar, no mínimo, dois anos sem ovular. Voltando a ovulação, e dependendo do tipo de câncer e do tratamento utilizado, ela pode ou não engravidar. Se foi feita radioterapia no útero, por exemplo, o órgão não pode mais suportar uma gravidez.
 
4. A quimioterapia inibe a ovulação?
 Algumas drogas podem provocar insuficiência do ovário, mas nem sempre isso acontece. Para prevenir, a mulher deve usar métodos de barreira ou DIU (dispositivo intra-uterino) de cobre. Tanto o DIU de hormônio como a pílula anticoncepcional são métodos proibidos, pois aumentam a coagulabilidade do sangue e as chances de trombose e embolia.
 

1 comentário (+adicionar seu?)

  1. Andressa
    jun 28, 2007 @ 02:22:07

    Tia Tânia finalmente eu consegui comentar do seu flog!
    Está realmente lindo d morrer e mto interessante tbm.
    bjinhos, Andressa

    Responder

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: