LEVANTAMENTO AVALIA SITUAÇÃO DO CÂNCER NO BRASIL

20/2/2008
 
Publicação do Inca aponta fatores de risco para a doença e propõe medidas de controle.
 
Pela primeira vez, um levantamento mostra o panorama geral do câncer no Brasil e aponta os principais desafios para controlar, combater e tratar a doença. Lançada no dia 27 de novembro pelo Instituto Nacional de Câncer (Inca), a publicação Situação do Câncer no Brasil analisa as causas, a incidência e os tipos predominantes de câncer no país. Segundo o Inca, cerca de 140 mil pessoas morrem todos os anos no Brasil vítimas da doença.
 
O objetivo do trabalho é fazer uma análise do problema do câncer no Brasil, de acordo com a política de Câncer do Ministério da Saúde, explica o diretor geral do Inca, Luiz Antonio Santini. Esse trabalho servirá como apoio para que as secretarias estaduais e municipais do país planejem medidas de controle à doença.
 
Queremos que os gestores estaduais e municipais, a comunidade acadêmica e os governantes tenham acesso à publicação, para que cada estado saiba mais sobre suas prioridades e quanto poderá investir para atender as demandas da população e a realidade local, afirma Santini. Se um município possui um índice alarmante de câncer de pulmão, é necessário reforçar neste local as campanhas para o controle do tabagismo ,explica. A publicação pode ser acessada no site do Inca.
 
A Situação do Câncer no Brasil se divide em três partes: Causalidade, Ocorrência e Ações e Controle. O tópico Causalidade associa a exposição da população aos fatores de risco ao desenvolvimento do câncer. A doença, em parte significativa dos casos, associa-se a hábitos como consumo regular de bebidas alcoólicas, tabagismo, sedentarismo, má alimentação e obesidade. O aparecimento do câncer também pode estar ligado à exposição ao sol. Trabalhadores que mantém contato mais tempo com agentes cancerígenos presentes em produtos como o amianto e o alumínio também tendem a desenvolver a doença.
 
O capítulo Ocorrência trata da incidência do câncer e dos índices de mortalidade no país. A publicação informa dessa incidência nas populações masculina e feminina. Sobre os homens, entre outros dados, a pesquisa revela que, entre 1979 e 2004, houve aumento de 95,48% na taxa de mortalidade por câncer de próstata.
 
Também cresceu, nos homens, em 54,24% a taxa de mortalidade por câncer de cólon e reto. Nas mulheres, no mesmo período, estatísticas do estudo revelam que cresceu em 96,95% a taxa de mortalidade por câncer de pulmão. Já a taxa de mortalidade por câncer de mama aumentou 38,62%.
 
O tópico Ações de Controle trata de iniciativas para prevenção da doença, das formas de detecção precoce e do rastreamento do câncer, das linhas de cuidado integral e tratamento, formação e educação permanente em oncologia (área da medicina especializada no câncer).
 
Colo do Útero – O Inca e o Ministério da Saúde lembram que o câncer de colo do útero, um dos que tem maior incidência, pode ser detectado precocemente pelo teste de Papanicolau. O Inca, em parceria com o Banco de Dados do Sistema Único de Saúde (Datasus), construiu uma nova versão do Sistema de Informação do Câncer de Colo de Útero (Siscolo), que registra os exames e permite o acompanhamento do estado de saúde das pacientes. Estimativas a partir de estudos nacionais e locais mostram aumento da cobertura na maioria dos casos. Segundo o Inquérito Domiciliar, realizado em 17 capitais e no Distrito Federal, com mulheres de 25 a 59 anos, a cobertura do exame variou de 57% em São Luís a 92,9% em Vitória.
 
Em relação ao câncer de mama, sabe-se que a capacidade de mamógrafos instalados da rede do Sistema Único de Saúde (SUS) é suficiente para oferecer a cobertura a pelo menos 50% da população-alvo em todas as regiões brasileiras o equivalente a 3.842.027 exames. Esse é o índice estabelecido pelo Consenso para o Controle do Câncer de Mama. O país tem capacidade de realizar 5.087.680 mamografias (radiografias da mama) anuais. O grande desafio no momento é organizar toda a rede de atenção à saúde para permitir que essas mulheres consigam ter acesso a esses aparelhos. Para prevenção do câncer de mama, mulheres com idade entre 50 e 69 anos devem realizar a mamografia pelo menos uma vez por ano. Mulheres com histórico de câncer de mama na família precisam, já a partir dos 35 anos, se submeterem ao exame.
 
Mortalidade – Conforme dados da publicação, o câncer é responsável por cerca de 13,7% das mortes registradas no país. Apenas as doenças circulatórias matam mais (em torno de 27,9% do total de mortes). A tendência nos países mais desenvolvidos é de que o câncer torne-se a principal causa de morte. Por isso, uma preocupação constante é dar qualidade de vida aos pacientes atendidos no Brasil, comenta Luiz Antonio Santini.
 
O levantamento mostra que, no Brasil, geralmente os tumores são diagnosticados em estágio avançado. Pesquisas do Inca realizadas entre 1999 e 2003 revelaram que, nesse período, apenas 3,35% dos casos de câncer de mama receberam diagnóstico no começo da doença. Dos registros de câncer de boca, somente 0,83% aconteceram quando o tumor estava no estágio inicial. O  diagnóstico tardio afeta o tratamento e diminui as chances de cura dos pacientes.
 
O estudo reforça a necessidade de se aumentarem os investimentos em atendimentos e exames para o diagnóstico precoce do câncer. O grande desafio para o controle do câncer no Brasil está no campo da mobilização social. É preciso garantir a articulação de políticas de saúde com políticas de educação, rompendo preconceitos e quebrando o paradigma de que o câncer é sinônimo de morte, destaca o diretor-geral do Inca, Luiz Antonio Santini.
 
Mais dados sobre o câncer
 
De 1979 a 2004, a taxa de mortalidade nos homens brasileiros por câncer de:
 
Próstata aumentou 95,48%
Cólon e reto aumentou 54,24%
Pulmão aumentou 35,03%
Leucemia aumentou 27,96%
Esôfago aumentou 11,52%
Estômago diminuiu 29,36%
 
De 1979 a 2004, a taxa de mortalidade nas mulheres por câncer de:
 
Pulmão aumentou 96,95%
Mama aumentou 38,62%
Colón e reto aumentou 38,22%
Leucemia aumentou 20,72%
Colo do útero aumentou 7,04%
Esôfago aumentou 6,49%
Estômago diminuiu 72,85%
 
Nos países de baixa e média renda,  a incidência de alguns tipos de câncer é maior. O câncer que atinge a traquéia, os brônquios e o pulmão, relacionado ao consumo de tabaco, foi o que mais matou nesses países no ano passado, tirando a vida de 770 mil pessoas. O câncer de estômago surge em segundo lugar, com 695 mil vítimas e o de esôfago, em terceiro lugar, surge com 379 mil mortes. A quarta forma mais letal do câncer é o de cólon e reto, com 356 mil vitimas. Em quinto lugar aparece o câncer de mama, com 317 mil mortes registradas. O sexto tipo de câncer mais letal é o de boca e faringe, com 271 mil vitimas.
 
Fonte: Portal do Ministério da Saúde
 
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: