QUIMIOTERAPIA – MECANISMOS DE AÇÃO

Agentes alquilantes: agem através de uma reação química, chamada alquilação, que ocorre no núcleo das células. Todos nós somos formados por átomos, que se ligam entre si, formando as moléculas. O DNA no interior do núcleo celular é uma molécula, ou seja, é formado por átomos. Durante o processo de replicação, quando uma célula fabrica uma cópia de si mesma (um clone), ocorre a separação do DNA em duas metades, que serão duplicadas. Para que ocorra essa separação do DNA, as ligações entre os átomos devem ser rompidas. O que as drogas alquilantes fazem é justamente impedir o rompimento dessas ligações, gerando pontes muito fortes entre as duas metades do DNA, impedindo a separação e a cópia. Desta forma a célula não poderá fazer um clone de si mesma.

 

Agentes antimetabólitos: possuem diversos mecanismos de ação, sendo que a maioria age impedindo, inibindo ou dificultando a síntese de aminoácidos, proteínas, nucleotídeos ou enzimas, ou a atividade das enzimas; bloqueando dessa forma a duplicação do DNA e conseqüentemente a divisão celular.

Antibióticos: são medicações que foram inicialmente desenvolvidas para o combate às infecções, porém, devido a sua grande toxicidade, nunca foram realmente utilizadas para este fim. Possuem vários mecanismos de ação. Alguns produzem radicais livres, que causam lesões no DNA ou em outras partes da célula. Outros desencadeiam reações de alquilação. Outros impedem que a molécula do DNA seja duplicada após ter sido separada em duas metades. Alguns podem ter mais de um mecanismo de ação.

Hormônios: os hormônios são moléculas produzidas por células e tecidos vivos e tem como função carregar uma mensagem para outras células e tecidos. Eles são liberados na corrente sanguínea e ao atingirem seus alvos, se ligam a receptores específicos na superfície das células e formam um complexo. Esse complexo hormônio-receptor desencadeia mudanças físicas e químicas na célula que irão levá-la a tomar alguma “atitude”, ou seja: divisão, crescimento, produção de outras substâncias, ataque, defesa, latência, repouso, ou até mesmo a morte da célula. Como forma de tratamento anti-tumoral, podemos usar medicações que bloqueiam a ligação do hormônio com seu receptor específico; ou que inibam a produção dos hormônios; ou mesmo hormônios que tenham uma ação que induzam as células a parar seu crescimento e divisão ou induzam ao suicídio da célula.

Dr. Felisberto Andreas Bub

Médico Oncologista

Fonte: http://www.mamainfo.org.br

 

Comentários desativados.

%d blogueiros gostam disto: